Iupiiii, yeyyy, wohoooo!!!

Feliz! Hoje estou mesmo muito feliz! Quase, quase a rebentar de tanta felicidade! 🙂

Recebi uma das melhores notícias dos últimos tempos. Meninos e meninas, começo a trabalhar na segunda-feira! E, maravilha das maravilhas, vou ter a oportunidade de fazer o que gosto (a cereja no topo de um bolo que, por vezes, é pouco doce).

Ainda estou em modo hiperactivo, mas estou a olhar para esta nova fase da minha vida com uma expectativa tremenda. Estou super motivada, só me apetece fazer 1001 coisas e dar o meu melhor, todos os dias, a todos os minutos.

Bem, por agora é tudo… vou só ali dar mais uns pulinhos de alegria (sempre dá para poupar no ginásio!).

Iupiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, yeyyyyyyyy, wohooooooooo!  🙂  🙂  🙂  🙂  🙂  🙂  🙂

Adoro o Inverno

É realmente, a estação do ano que mais gosto. Não sei se é por fazer anos no Inverno, ou por adorar chuva e frio, mas sinto-me mil vezes melhor nesta altura do que no Verão.

E também escurece mais cedo. E eu funciono melhor de noite, sempre fui assim. Fazer noitadas a estudar ou a trabalhar, noitadas com os amigos, noitadas com a televisão… “És morcega”, fartam-se de me dizer!

Mas voltando ao Inverno, a vida corre-me melhor nos meses frios, se bem que já não tenho bem a certeza quais são… Parece que o S. Pedro anda um bocadinho como nós, à deriva e com poucas certezas. Ora faz sol, ora chove! E o pessoal fica assim, a modos que confuso, com chinelo no pé e gabardine no corpo.

No Inverno, acabei o curso, comecei a trabalhar, tirei a carta de condução, divorciei-me… tudo coisas que me marcaram imenso, como é compreensível.

Mas também é no Inverno que gosto de vestir pilhas de roupa. Aconchegar o pescoço com um cachecol farfalhudo, enrolar-me em mantas e usar botas, luvas, chapéus e tudo a que tenho direito! Hmmm, e as pantufas quentinhas nos pés? E chegar a casa, tomar um banho quente e vestir o pijama? Não há melhor…

E depois há o Natal e o Ano Novo. Como eu adoro o Natal! A azáfama dos doces, das mensagens e dos postais (sim, eu ainda escrevo postais), algumas comprinhas (tradição que, pelo que estou a ver, morreu o ano passado), a simpatia que cresce nas pessoas,… tudo me deixa com um sorriso tranquilo e com um friozinho na barriga.

São agora 21h30 e está um nevoeiro tremendo. Estou feliz!

Chuva

Voltei, voltei… voltei de lá!

Meninos e meninas (se é que alguém lê este blogue), as minhas mais sinceras desculpas pelo meu desaparecimento!
 
Estive um mês nos Algarves, a desfrutar de umas merecidas férias de enviar currículos, ir a entrevistas e marrar com a cabeça nas paredes.
 
Foi um mês em que não pensei em nada, esqueci o drama do desemprego e a desgraça da inutilidade.
 
Mas, como já vem sendo habitual, tudo o que é bom acaba depressa e cá estou eu de regresso ao mundo real.
 
E já fiz muitas coisas… Toca de enviar currículos e de me inscrever num Mestrado (com a sorte que tenho, nem devo passar da fase de inscrição… matrícula, nem vê-la. Depois dou novidades).
 
E como hoje é só para dizer que estou viva, fico-me por aqui e deixo-vos uma foto de um sítio que adoro!

 

Alcoutim

Pérolas cá de casa (parte I)

Como já devem ter percebido, este é o 1º post de uma série que acredito que vai crescer a olhos vistos!

E explico porquê: 

Há uma Senhora (letra maiúscula porque gosto mesmo dela) que trabalha cá em casa há mais de 25 anos. Inicialmente, vinha quatro vezes por semana mas, de há alguns anos para cá, só vem duas (o volume de trabalho é menor, há menos pessoas a trabalhar e por aí…). 

O maravilhoso desta Senhora, é a sua apetência para, como dizer, “assassinar” a língua portuguesa e provocar os mais sinceros e puros sorrisos nestas alminhas que por aqui habitam. 

É óbvio que não nos desmanchamos a rir à frente da Senhora (não somos mal educados a esse ponto!), mas apontamos mentalmente as pérolas e, à noite, comentamos a introdução de mais umas quantas palavras no dicionário!   

A Senhora é um doce, amiga, traz-me abóboras e couves para a sopa e flores para a minha mãe (umas belas estrelícias), que o marido apanha religiosamente, de 15 em 15 dias, no jardim deles. Contudo, tem uma imaginação mais do que fértil para inventar palavras ou mesmo para as descontextualizar por completo! 

Ora bem, há pouco tempo fiquei a saber que, a propósito de uma qualquer reportagem que estava a dar na TV e à qual não estava a prestar muita atenção, há muitas pessoas a morrer de biosidade (entenda-se, obesidade)! 

Ainda no Sábado passado, a Senhora disse-me que tinha que ir à dentista desparasitar um dente (ou seja, desvitalizar!). 

E ainda no campo da saúde, ao netinho da Senhora foi diagnostificada uma alergia aos pólenes (diagnosticada, está claro!). 

A lista não fica por aqui, mas a minha memória já não é o que era 🙂 e grande parte das palavras perderam-se algures entre os meus ouvidos e o meu cérebro. Mas prometo que vou começar a apontar num caderninho e, depois, conto-vos tudo. 

A Senhora é mesmo um amor…

Pérolas cá de casa

Rir faz bem!