Pérolas à solta

  • “A minha mãe deu-me porradinha” (um qualquer habitante da Casa dos Segredos 2)
  • “Eu não desço baixo” (Sónia, Casa dos Segredos 2)
  • “Vens aqui raspar-me um calo” (Fanny, Casa dos Segredos 2)
  • “Estou a tirar-te peles” (Fanny, Casa dos Segredos 2)

Ps – Como devem ter reparado, a minha inspiração é só uma. A Casa com mais habitantes sui generis (para não chamar outra coisa) por m2!

Aonde é que a TVI foi desencantar tamanhas pérolas da portucalidade e arredores?

Bolas, mas os castings foram feitos em ginásios e em bares de alterne?

Sim, hoje estou do contra e só me apetece dizer mal mas, neste caso, acho que não me podem acusar de ser mazinha, pois não?

Estou a falar do regresso da “Casa dos Segredos” (ou Casa dos Horrores, como eu tão carinhosamente chamava à 1ª edição deste reallity show do secretismo nacional).

Admito que seguia, com alguma regularidade, as histórias da 1ª Casa. As intrigas, os grupinhos, as amizades fantásticas que, de um momento para o outro, se transformavam em ódios de morte, o diz-que-disse, a sôdona Júlia e o Pedrito amestrado…

Sou humana e, enquanto dava conta das tristes figuras dos outros, esquecia as minhas!

Mas agora, não sei se me apetece (corrijo: não sei se tenho estômago) para seguir o programa. As figurinhas mal-amanhadas que escolheram para dar vida à Casa dos Horrores 2 causam-me uma certa comichão intelectual e, enquanto não mostrarem um palminho de testa, não me convencem… Esta é a primeira impressão.

Casa dos Segredos

PS – A sôdona Teresa faz-me lembrar os primórdios do Big Brother. Não que tenha saudades (Zé Maria, galinhas, cabeça amarela, pontapés, murros e afins), mas porque  a minha vidinha, nessa altura, era cá uma agitação!!!