Palavras (escritas) para quê?

 

Agradeço, em nome de muitos portugueses, a compilação destas imagens! Perfeito  Aventar !

 

 

Anúncios

100 dias de Governo

Aumento de impostos, extinção de postos de trabalho na Administração Pública, criação de uma Taxa de Solidariedade, aumento do preço dos transportes, da luz, do gás e da água (possivelmente), desemprego, criação de taxas extraordinárias, tentativa de agilização dos despedimentos, cortes nos subsídios de desemprego e afins.

E, de acordo com o ministro das Finanças, o pior ainda está para vir. Quero ver isso…

 

Impostos

Podem esclarecer-me uma dúvida, sáxavor?

Política. É este o tema. 

Ando numa roda-viva a papar tudo quanto é debate eleitoral e programas de análise aos ditos debates e estou com uma dúvida (não percebendo eu nada de política, ter só uma dúvida já é muito bom!). 

Vamos por partes: 

O Presidente da República (vénia ao Senhor) pediu um Governo de maioria, certo? 

Ora, duvido que, quer o Sócrates, quer o Passos Coelho, consigam a tal maioria (nem me atrevo a falar dos outros partidos). 

Assim sendo, terá que haver uma coligação para cumprir o 1º ponto: o tal Governo maioritário e pseudo-estável. 

E aqui surge a minha dúvida: O Passos Coelho não quer coligações (adeus Portas, xau PS, au revoir PCP e hasta la vista BE!); o Portas não quer governar com o Sócrates (resta-lhe o PSD que não quer nada com ele) e o Sócrates, que está a arrastar a asa à direita que o manda ir passear, afirma que “quem ganha as eleições é que vai para o governo”. 

Então, acho que só há duas hipóteses, certo? 

1. Não cumprir o requisito do PR e quem ficar em 1º forma Governo (mesmo que seja sem maioria).

2. O PS ou o PSD conseguirem, por milagre, uma maioria dos votos. 

Então e se o PR não mudar de ideias e se não houver maioria para ninguém? 

Acho que me está a escapar alguma coisa. Há para aí algum Iluminado que acenda a luzinha ao meu Tico e ao meu Teco?

O Grito. Versão Simpsons.

Estou meia perdida. Como ele!

Esqueletos no armário

Nestes últimos dias, esta deve ter sido a expressão mais ouvida nos meios de comunicação social: “Esqueletos no Armário”. 

O autor de tão célebre pérola foi o líder do PSD, Pedro Passos Coelho, quando se pronunciou sobre o estado e a (falta) de transparência das contas públicas. 

E, por muito que queira ver pelas costas o nosso Sócrates (PM ainda em funções), tenho que concordar com o que defende o PS: esta não é a altura para “esquadrinhar” os tostões do país. Melhor, não é a altura para o fazer, pelo menos publicamente e utilizando os Media como pombo-correio. 

Resolvam lá as vossas contendas, mas longe dos holofotes. De outra forma, continuamos a passar uma péssima imagem do país num todo e nós, portugueses que aqui andamos e que até somos cumpridores e pouco temos a dizer na condução dos assuntos do Estado, não podemos ser postos no mesmo saco.

Admito que pouco percebo de política (e o que estou a dizer até pode ser uma barbaridade), mas acredito que a relação PS/PSD é podre. E, numa altura destas, de verdadeiro atrofio económico, financeiro e social, estes dois partidos deviam unir-se e trabalhar em conjunto, para o bem de todos e para a sanidade mental de muita gente.

Por isso, deixem-se lá de tretas e parem de se comportar como crianças birrentas e mimadas. Já não há paciência para vos ouvir! E quando assim acontece, algo vai mal no Portugal dos Pequeninos…

Esqueletos no armário

Ui, medo!!!